A Ligação Entre Alimentos Processados e o Cancro 4.75/5 (4)

alimentos processados, cancro

Uma nova pesquisa publicada  na revista médica internacional revisada por pares The BMJ, encontrou uma forte correlação entre o consumo de alimentos ultra-processados e o aumento do risco de cancro. Estudos anteriores encontraram ligações entre alimentos ultra-processados e a sua contribuição para aumentar o risco de distúrbios cardiometabólicos, como obesidade e hipertensão. Este é o primeiro estudo a focalizar especificamente a ligação entre o nível de processamento de alimentos e o risco de cancro.

Este grande estudo descobriu que um aumento de 10% na proporção de alimentos ultra-processados na dieta estava associado a um aumento de mais de 12% no risco de cancro em geral e 11% no risco de cancro de mama. O estudo envolveu 104.980 participantes com idade mínima de 18 anos de uma coorte francesa.

De 2009 a 2017, a ingestão da dieta foi colectada usando registos alimentares repetidos de 24 horas, rastreando o consumo de 3300 itens alimentares diferentes pelos participantes. Os resultados indicaram que gorduras ultra-processadas, molhos, produtos açucarados e bebidas foram associados com um aumento do risco de cancro em geral, e produtos açucarados ultra-processados foram associados ao risco do cancro da mama.

Preocupação com o aumento do consumo de alimentos ultra-processados

Cada vez mais nas últimas décadas, as dietas em muitos países mudaram para um aumento dramático no consumo de alimentos ultra-processados. A mudança para um maior consumo destes produtos alimentares pode ser largamente atribuída a ser concebida como segura, conveniente, saborosa e acessível.
Estudos considerando os hábitos de consumo de alimentos, incluindo pesquisas domiciliares de gastos com alimentação e vendas em supermercados, constataram que produtos alimentares ultra-processados contribuem com entre 25% e 50% do consumo total diário de energia. Dizem que os americanos recebem 61% de suas calorias de alimentos altamente processados.
Esta nova pesquisa mostra os perigos destes alimentos comummente comprados e consumidos, e esperamos contribuir para a mudança de percepção de que os alimentos processados não são tão inofensivos quanto se pensava.

Principais características causadoras de cancro

Várias características dos alimentos ultra-processados podem estar envolvidos na causa do cancro. O maior teor de gordura total, gordura saturada e adição de açúcar e sal, juntamente com uma menor densidade de fibra e vitamina são de considerável preocupação. Esses componentes contribuem para a inflamação no corpo, e descobriu-se que a inflamação crónica aumenta o risco de cancro.

Contaminantes Neo-formados em alimentos processados

Além de sua composição nutricional, a preparação industrial desses alimentos (principalmente o tratamento térmico para sabor e digestibilidade) poderia estar contribuindo para as suas propriedades cancerígenas. Acrilamida, aminas heterocíclicas e hidrocarbonetos aromáticos policíclicos estão presentes em produtos alimentícios processados tratados termicamente e têm sido associados ao risco de cancro. Além disso, materiais perigosos e produtos químicos encontrados em embalagens de alimentos processados, incluindo flúor e substâncias polifluoroalquílicas (PFASs), têm sido associados a problemas de fertilidade e tireóide, atrasos no desenvolvimento de crianças e aumento dos riscos de cancro.

Embora esta pesquisa apenas descubra padrões e correlações entre o consumo de alimentos processados e o risco de cancro, os pesquisadores consideram os resultados significativos e dignos de uma investigação mais aprofundada. Esperemos que os alimentos ultra-processados continuem a ser objetco de escrutínio científico e as percepções desses produtos nutricional-mente carentes mudem.

 

 

229 total views, 1 views today

Avalie o nosso artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *